Doe para a SBEE

A SBEE precisa de sua ajuda para poder continuar suas atividades.  Doe via PayPal. 

Mais Informações

À medida que evoluímos individualmente, e como sociedade, aumenta a nossa necessidade de fazer leituras críticas  e ressignificação do mundo. Estas demandas do pensamento são sustentadas pela capacidade que temos de fazer novos questionamentos e interpretações. O movimento que se segue a esse processo passa por uma "desconstrução de camadas sedimentadas de conceitos" (Hans-Georg Gadamer). A contínua necessidade que temos de interpretar o mundo é o que aproxima a hermenêutica da Doutrina Espírita.

O exercício mediúnico deve continuamente estimular a reflexão em torno de temas relevantes e emergentes. Por ser um sistema aberto, o sistema de idéias espírita deve promover questionamentos e discussões com o propósito de criar novas metáforas, novos entendimentos e recontextualizações. Assim, os instrumentos e as instruções ligados à Doutrina Espírita estarão em constante evolução com impactos nas dimensões individual, alternativa, especialista e universal.

A parte da filosofia que trata da "interpretação" tem o nome de hermenêutica. Os objetos de estudo podem ser quaisquer questões, desde textos e poemas até comportamentos sociais. A palavra grega hermeneuein significa traduzir ou interpretar; hermeneia é interpretação. Aqui cabe um ponto relevante: interpretar é diferente de explicar! Explicar é dar a causa ou a razão. Explicar um fenômeno físico, por exemplo. Interpretar é, por sua vez, procurar ou revelar o sentido de algo. Interpretar um signo, uma obra ou um acontecimento.

O trabalho do filósofo Martin Heidegger (1889- 1976) trouxe uma grande contribuição para a evolução dos conceitos ligados à hermenêutica. Ele não foi o primeiro a trabalhar esta linha filosófica, mas seu trabalho traz uma nova hermenêutica do ser humano e do cotidiano (dasein). Heidegger foi um questionador da tradição e da lógica que ainda se achava na base do idealismo alemão na sua época e lutou pelo resgate da capacidade humana de questionar e reinterpretar, assim, propôs que se trouxesse a filosofia para um sentido de realidade ligada ao mundo. Isto é, a necessidade de se aprender a pensar a vida em todas as suas muitas direções. Em uma cultura que atualmente está profundamente marcada pela ciência, é preciso "conquistar um novo equilíbrio de modo que o nosso pensamento não se esgote apenas no domínio e exploração da natureza, mas também através da disponibilização de tudo- nós mesmos, inclusive", diz Gadamer. O Ser aqui e agora!

Revisitar, desconstruir e ressignificar pode ser uma descrição sintética de um processo que requer uma “atitude hermenêutica” e que ao mesmo tempo atende à proposta de uma Doutrina Espírita dinâmica na forma de reinterpretar o mundo. O sistema aberto proposto pela Doutrina permite, e requer, interpretações para que o espírito evolua no caminho da construção individual e social.

Assim, à medida que concebemos, percebemos e nos conscientizamos das infinitas possibilidades que os contextos nos oferecem no mundo cultural, estamos fazendo ressignificação e criando solo fértil para novas perguntas e novas respostas que possam efetivamente atender às necessidades do pensamento. O pensamento é do espírito, a linguagem é da cultura. A cultura dá uma roupagem (símbolo) ao pensamento (significado) criado pelo espírito. A linguagem pode modular o pensamento, tanto potencializando como limitando a sua expressão. A linguagem é o veículo do pensamento!

Nós, colaboradores da Doutrina Espírita, podemos estimular a aplicação da hermenêutica, por exemplo, no estudo das obras básicas, dos produtos mediúnicos, ou de qualquer produto cultural, promovendo reflexões críticas sobre os temas de interesse e ao mesmo tempo buscando sempre um novo olhar e um entendimento mais completo.

Revista Ser Espírita nº 30

Revista Ser Espírita nº 30

Projeto Grão em Grão

Novas Metáforas do Pensamento Espírita

Novas Metáforas do Pensamento Espírita

Antropologia Espírita

Antropologia Espírita

Área Restrita